Sem qualquer justificação e sem fundamentar a decisão, o Ministério da Saúde encerrou o processo negocial da carreira de enfermagem aprofundando a discriminação dos enfermeiros comparativamente a outros profissionais da área da Saúde.

À justa expectativa dos enfermeiros o Ministério da Saúde e o Governo responderam com:

  • A manutenção dos valores salariais da categoria de enfermeiro;
  • A introdução da categoria de enfermeiro especialista mas em termos salariais não foram além de consagrarem as posições remuneratórias que acomodam o salário base de cada enfermeiro acrescido do suplemento;
  • A imposição de, em cada instituição, apenas 25% dos postos de trabalho possam ser destinados aos enfermeiros especialistas;
  • A diminuição do valor da função gestão previsto na atual carreira para acomodarem a transição dos enfermeiros das categorias subsistentes (chefes e supervisores);
  • A não aceitação de medidas compensatórias do risco e penosidade onde se incluía a aposentação e o trabalho por turnos.

Face ao defraudar das legítimas e justas reivindicações dos enfermeiros, o SEP e o SERAM irão intervir junto do Primeiro-ministro e do Presidente da República