Rua de Santa Maria n.º90                   Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.m                        291 224 942              

ENTRE 2014 E 2021 AS REMUNERAÇÕES MÉDIAS DOS TRABALHADORES DO ESTADO AUMENTRAM EM MÉDIA EM PORTUGAL APENAS 72€ (+4,7%) ENQUANTO NA U.E A SUBIDA FOI DE 536€ (+21.3%).

EM 2014 REPRESENTAVAM 60,7% DA U.E. E, EM 2021, 52,4%. NOS PAISES “FRUGAIS” (?!) O AUMENTO FOI MAIOR (Alemanha +1104€, +30,2%; e na Holanda +508€, +21%).

Estes sãos os números revelados num estudo elaborado pelo economista Eugénio Rosa, que revelam bem a necessidade imperiosa de se proceder a um aumento sustentado dos salários da Administração Pública em Portugal.

Numa altura em que os sindicatos das Administrações Publicas reúnem-se com o governo para negociar os aumentos das remunerações dos trabalhadores em 2022, é importante conhecer o que tem acontecido, neste campo, nos países da União Europeia pois, em Portugal a perda de poder de compra dos funcionários públicos tem sido enorme, o que está a causar a destruição da Administração Publica, e a torná-la incapaz de responder às necessidades da população em serviços públicos, de que é exemplo mais visível o estado de degradação a que chegou o SNS.

Ainda de acordo com o mesmo estudo, entre 2009 e 2022, a Tabela Remuneratória Única dos trabalhadores da Função Pública teve apenas dois aumentos, um de 0,3% em 2020 e outro em 2022 de apenas 0,9%. Em 2013, Vitor Gaspar/Passos Coelho/Portas e “troika” realizaram um enorme aumento do IRS que ainda não foi totalmente revertido que reduziu as remunerações líquidas e, entre 2009 e 2022, o aumento de preços atingirá 22,7% (previsão feita com base nos dado INE). Para além de tudo isto, há ainda acrescentar o enorme aumento de 133% do desconto para ADSE (de 1,5% para 3,5%).

É a destruição da Administração Publica que está em marcha, pois os trabalhadores mais competentes estão a abandoná-la para irem trabalhar no setor privado e, ao mesmo tempo, a Administração Publica tem sido incapaz de contratar trabalhadores qualificados e com as competências que necessita para poder fornecer aos portugueses os serviços públicos de qualidade que estes precisam (saúde, educação, segurança social, transportes públicos, policia, gestão de fundos comunitários)

ENTRE 2014 E 2021, A REMUNERAÇÃO MÉDIA BRUTA DOS TRABALHADORES DO ESTADO AUMENTOU EM PORTUGAL APENAS 72€ ENQUANTO A SUBIDA MÉDIA NA UNIÃO FOI DE 536€, OU SEJA, 15 VEZES MAIS

Os dados do Eurostat, revelam que entre 2014 e 2021, a remuneração média no Estado aumentou em Portugal apenas 72€ (+4,2%), enquanto o aumento médio nos países da União Europeia foi de 536€ (+ 21,3%). Em 2014, a remuneração média dos trabalhadores do Estado em Portugal era 1529€ e na União Europeia (U.E.) 2519€, o que significava que a remuneração em Portugal representava apenas 60,7% da média da U.E. Entre 2014 e 2021, esta situação piorou ainda mais. Em 2021, a remuneração media dos trabalhadores do Estado em Portugal era apenas 1601€ (+72€ do que em 2014), mas a remuneração média na U.E. já era 3055€ (+ 536€ do que em 2014), o que significa que a remuneração média em Portugal correspondia apenas a 52,4% da média dos países da União Europeia (-13,5% do em 2014). Portugal em vez de convergir para média da U.E. está a divergir fortemente.

A PREVISÃO DA ESCALADA DE PREÇOS EM PORTUGAL É PARA CONTINUAR CAUSADA PELA PANDEMIA E PELA CONTINUAÇÃO DA GUERRA NA UCRÂNIA.

A escalada de preços vai continuar, e como ela vai agravar enormemente a vida de todos os portugueses. apresenta-se seguidamente uma previsão do aumento de preços até ao fim deste ano, tomando como base a inflação divulgada pelo INE até junho de 2022. Ao ritmo que tem aumentado os preços este ano em Portugal até junho, em dezembro de 2022 os preços serão superiores aos de dezembro de 2021 em 11,9%, ou seja, a inflação homóloga. E a taxa média anual do aumento do IPC (de inflação) será de 8,2%, o que é um valor muito elevado se compararmos com as subidas nas remunerações dos trabalhadores da Função Pública este ano (apenas 0,9%), dos pensionistas da Segurança Social e da CGA (entre 0,24% e 1,1%).

 

Fonte:

https://www.eugeniorosa.com/shared/docs/2022/07/31-2022-UE-remuneracoes-funcao-publica.pdf

 

Através deste estudo é evidente a necessidade urgente de aumentos reais dos salários da Administração Pública!

Estaremos aqui para exigir os aumentos justos para os Enfermeiros e para todos os trabalhadores da Administração Pública.